quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Ser e deixar de ser

Diz Oscar Wilde, que definir-se é delimitar-se, talvez sim. Tais delimitações, porém, não são imutáveis, estão sujeitas a variações a todo momento, podemos quebrar suas barreiras sempre que necessário, conveniente, ou quando simplesmente nos der na telha. O espaço se tornou pequeno? Estendamos a cerca, rompenhamos as fronteiras. Ser para depois não sê-lo, eis a maior ousadia e também necessidade humana. Só se compreende as coisas em seu sentido cabalístico quando se ousa ser tudo, o que não impede, entretanto, voltarmos ao "nada inicial", condição primeira e também última do homem. A solução para uma definição obsoleta é nada além do que a redefinição. Redefinir e nada mais. Ser ora isso, ora aquilo, ora acolá... Ser Sonja , e amanhã se tornar quem sabe Maria ou Catarina. Hoje sedentária, amanhã andarilha ou talvez ainda sedentária. Há que se entender que todas as definições são transitórias, contudo, a efemeridade delas não nos impede usá-las. O posicionamente é sempre vital, mesmo que depois surja o arrependimento ou percebamos os equívocos cometidos. A mudança é uma das características mais ricas do ser humano, não usá-las é quase negar nossa condição, o definir permite sempre a redefinição. A tese e a antítese. Diz sabiamente, Lou Salomé: "Ouse ser", o façamos então! Somos nada além que a constante mutação que teima em definir-se, e só.

Por Sonja

6 comentários:

Maria Joaquina disse...

Sonja! =O
Ficou muito lindo!
E não tem como discordar do que vc disse. Até porque vc conseguiria persuadir qualquer um...XD~

Só tá faltando o textinho da poetisa portuguesa... rsrs

=*

Ps: Gostou do meu Pseudônimo??? XD

Vaia Roma disse...

Hahaha! O texto da poetisa portuguesa aparecerá em breve, assim que a coragem vier...

Se gostei do pseudônimo? Mais lindo não poderia haver.

Lisys disse...

Incrível, palavras perfeitas, perfeitamente encaixadas.

Diana Borges disse...

Sonja é um luxo! ;)
Muito bom texto, "deixar de ser", isso é possível?
Nunca ouvi dizer que uma prostituta deixou de ser safada na cama, nunca ouvi dizer que um gay deixou de ser gay.
É uma questão a se pensar..

Confesso que fiquei curiosa a respeito do texto sobre a "poetisa portuguesa"
Imagino que seja poesia pornográfica, adoro, rs

Beijos, lindas (Lisys e Sonja)

Naty-chan disse...

Excelentes palavras!
A mudança é algo inerente ao ser humano, embora muitos insistam em dizer "eu nunca mudo" ou "eu sou assim e não vou mudar", nós mudamos todos os dias, tanto nos aspectos físicos como mentais.
Considero que a mudança seja algo fundamental, afinal só existe História dada as mudanças da sociedade.
Enfim, ficou muito bom!!!!

Beijos =*

Vaia Roma disse...

Bem Cecília Meireles... =)