sexta-feira, 10 de abril de 2009

Sem Título

Desabotoo o vestido, as alças escorregam pelo meu corpo,
sinto-o morto aos meus pés.
Solto os cabelos e tiro a máscara.
E assim vou me despindo diante do medo para encará-lo.

Parecia uma tentativa desesperada de suicídio...
E eu não sabia se isso era bom para mim ou para ele.

De repente, percebo... que.. ele... se apaixonou por mim.
Eureca! A solução!

Nos entreolhamos e partimos!

Lisys. - algum momento de 2007 -

6 comentários:

Ana Maria disse...

Lisys, Lisys...
Bons versos e eu que nunca parei para lê-los agora estou aqui. Degustando cada palavra.


Belo jardim. ;]

Vaia Roma disse...

Aah, querida Ana Maria. Que maravilha é tê-la como admiradora desse jardim.

Lili Cheveux de Feu disse...

bonito. insinuante...

pedro disse...

geralmente eu nem paro para ler versos avulsos na internet, mas esse me puxou, muito legal...

visita meu blog também http://semseramente.blogspot.com/

Vaia Roma disse...

Uau, obrigada... estou indo agora no seu blog.

muito-pouco disse...

Lisys! \o/ Volte pra cá logo!
Adorei o post!
BEijos! beijos!